BRAINSTORMING

nosso jeito de pensar o ambiente de negócios
Será que o marketing morreu?

Será que o marketing morreu?

30.01.2015.

Conversando com um parceiro nesses últimos dias, ouvi uma expressão que me incomodou demais no primeiro momento.

“O Marketing está morto!”

Questionei sobre aonde ele tirou essa pérola e fui surpreendido com a resposta. Segundo ele, foi de mim!

Tenho certeza absoluta que não sou maluco de dizer um disparate desses, mas dei corda para ver até onde ele ia. Disse ele:

“Como conversamos sempre sobre essa coisa de ativação digital, construção de relacionamento com o consumidor via mídias digitais e tudo mais, cheguei à conclusão de que o marketing morreu. Não há mais aquele negócio de fazer propaganda de produto e o consumidor ir até a loja comprar. Hoje em dia, precisamos criar um relacionamento com o consumidor antes de ele comprar e aumentar esse relacionamento depois que ele compra. Ou entendi tudo errado?”

Na mesma hora me veio um alívio e expliquei a ele que o marketing não morreu, mas mudou e mudou muito. Lembro que, quando estudei marketing na faculdade, tudo que se falava era dos 4 Ps de Kotler. Mas, mesmo naquela época (em tempos de internet, parece outro milênio – droga, foi mesmo!), havia lá um professor que dizia: a primeira venda a um cliente não é importante, a segunda que é.

Ele estava tão certo que nem sabia o que afirmava, ou talvez fosse um visionário. Hoje sabemos. Eu acho!

O marketing da era digital, ou marketing digital, está relacionado não no processo de venda em si, mas no de relacionamento, de aproximação marca-consumidor. Quando esse relacionamento está construído e sólido, a venda se torna uma consequência natural.

Por traz dessa relação, penso eu, há a questão da geração de conteúdo relevante, centrada nas pessoas e rapidamente digerível. Ou seja, é preciso construir o relacionamento pensando no consumidor e não na marca ou produto simplesmente.

Para nós, não há forma mais simples de construir um relacionamento do que através do contar histórias (story-telling). Nossos pais criaram relacionamento conosco contando histórias para dormir. Quando conhecemos uma nova pessoa, contamos histórias como forma de quebrar o gelo.

Mas é importante ter muito claro que não estamos falando de contos de fada, mas de histórias reais, histórias que inspirem, histórias verdadeiras e que tragam esperança para a audiência.

O maior sinal de sucesso de uma estratégia de marketing digital baseada em conteúdo, para mim, é o momento maravilhoso em que os marqueteiros da marca perdem o controle sobre seu uso cotidiano, e a comunidade de consumidores passa a usá-la respeitosa e ludicamente.

Author:

Formado em engenharia de computação pela PUC-Rio é um apaixonado pelo mundo digital e um entusiasta do empreendedorismo e da capacidade humana de superar e se adaptar!